sábado, 27 de setembro de 2014

História da moda: Moda na Belle époque, parte 2 (começo 1ª guerra).

   Já Começamos a falar da belle époque, lembrando quais as características femininas e masculinas remetem a essa época de elegância (clique aqui para conferir a parte 1). Porém, aquilo era só o começo, no final da belle époque algumas coisas foram mudando. 

   Começando pela silhueta feminina, onde o busto não era mais tão empurrado para frente e os quadris para trás, que dava impressão de quadris largos. O objetivo agora era ter quadris mais finos. Eram usados vestidos estilo império, que apareciam bastante nos panfletos de propagandas de espartilhos. Os chapéus também ficaram maiores para dar essa ideia de quadris mais estreitos.
   Apresentada pelo balé Russo em 1910, a obra Schéhérazade, provocou mudanças pela influência do estilista Paul Poiret em seus figurinos do Oriente Médio. Os corsets foram banidos, as saias adquiriram drapeados e ficaram estreitas na barra, fazendo com que as mulheres só conseguissem dar passos com pouquíssimos centímetros.
   E em 1913, as golas que eram altas, agora, não chegavam mais nas orelhas. Mas o mais revolucionário foi o decote em V, um escândalo para a época.
   Um pouco antes da guerra, já no final da belle époque as saias longas e justas no tornozelo eram usadas com outra saia por cima, como uma túnica que ia um pouco abaixo dos joelhos.
Depois que começou a primeira guerra, as mulheres começaram a trabalhar e, para isso, usar uniformes. Não podia ter muitas extravagâcias, as roupas eram práticas, simples, sérias e de tecidos baratos e duráveis, como flanela e algodão. E então surge a estilista da nova silhueta, Coco Chanel (que vou fazer um post separado para essa mulher revolucionária tanto moda, como no comportamento feminino)

Quem quiser dar uma localizada onde estamos nessa nossa passagem na história da moda, é só conferir o roteiro clicando >aqui<

Nenhum comentário:

Postar um comentário